Eleições: a reflexão e contribuição de um padre

15 de Setembro de 2010 às 12:40 por Rosana Manzini | Postado em: IGREJA, POLITICA, fé x vida
| Comentários (6)

Tenho recebido, e acredito que voce também, uma enxurrada de emails sobre candidatos, partidos. Quase todos eles apocalípticos, ameaçadores, cheios de medo e preconceitos. Muitos emails são repassados sem reflexão prévia, poucos são aqueles que oferecem elementos para um bom discernimento. Ontem recebi um email de um padre de Curitiba, que não conheço, mas que colocou um pouco de luz nesse caos de mensagens. Creio que isto possibilita uma discussão com sanidade ética. Espero que voce também contribua nessa discussão tão importante. Partilho essa mensagem, longa, mas que vale a pena ler e pensar.

Porque a Igreja não diz em quem não votar

Irmão e Irmã na Fé que nos Une:

É longo, mas peço que, se vai responder, leia até o fim, OK? É minha posição como cristão e como cidadão brasileiro! Leia assim, e não como A PALAVRA DA IGREJA, mesmo porque, graças a Deus, não sou TODA A IGREJA:

Tenho sido importunado por correntes católicas que parecem querer me obrigar a NÃO votar neste ou naquele candidato político por causa das questões morais católicas.

Sei que ao me pronunciar sobre isto serei vítima de ataques, mas tudo bem, não tenho medo… Tenho medo sim de posições perigosas para a Igreja.

Perigosas porque, se dizemos em quem NÃO votar, acabamos dizendo em QUEM votar. E se fazemos isto estamos afirmando que este em quem votamos está plenamente de acordo com a doutrina da Igreja, está de acordo com a proposta de Jesus Cristo.

Qual é a proposta de Jesus Cristo? O REINO DE DEUS. E o Reino acontece quando Deus reina no coração das pessoas e sua vontade, que é um mundo marcado pelo AMOR, acontece em todas as dimensões da vida humana e para todas as pessoas que o desejam sinceramente. O REINO é o AMOR inflamando a vida pessoal, familiar, fraterna, comunitária, profissional, social e política.

O REINO já aconteceu para nós, em plenitude, na pessoa e na obra de Jesus Cristo. Porém, no mundo ainda não está plenamente presente. E é obrigação DOS CRISTÃOS fazer com que este REINO aconteça o mais possível na terra. O REINO é “já”, na pessoa e na obra de Jesus, mas “ainda não” em toda nossa realidade. É pra ELE que apontamos e ao mostrá-lo, mostramos o modelo de mundo que queremos e sonhamos.

Como cristãos precisamos sim defender a vida. Toda a vida, em todas as suas dimensões, em todas as suas fases. Por isso, precisamos sim lutar sempre. Precisamos formar bem nossos cristãos e ajudá-los a viver a moral que acreditamos. Essa é NOSSA OBRIGAÇÃO. Não podemos nem devemos exigir de mais ninguém além de nós mesmos que ensinemos esta moral, que a ajudemos a ser cumprida por todos os cristãos em primeiro lugar.

Pergunto: se o aborto for aprovado por este ou aquele partido, mas nossas mulheres deste país de maioria cristã se recusarem a abortar, a descriminalização do aborto vai surtir efeito? Digo gritando: NÃÃÃÃÃÃOOOOOOOOO!

Se todos os jovens cristãos forem ajudados a viver a sexualidade de acordo com o ensinamento evangélico, e o governo continuar a distribuir camisinhas o que vai acontecer? Elas VÃO VIRAR BEXIGA PRA CRIANÇADA BRINCAR (foi o que um grupo de adolescentes católicos fez estes dias em um colégio estadual, hehehe)…

Se as famílias cristãs forem ajudadas a viver a fidelidade, por mais que se incentive o divórcio, ele vai acontecer? NÃÃÃÃOOOOOOO!!!

Porque temos a mania de jogar para o governo a obrigação que é nossa? Parece ser essa a mania de nosso povo brasileiro… Deixar para o governante fazer sozinho aquilo que TODA A POPULAÇÃO DEVERIA FAZER JUNTO.

Mas parece ser a tendência da moda dos cristãos… Não conseguimos mais ajudar todo nosso povo a viver a nossa moral. DAÍ QUEREMOS QUE O GOVERNO FAÇA AQUILO QUE É OBRIGAÇÃO PRIMEIRO DA HIERARQUIA, MAS DEPOIS DE TODO O POVO CATÓLICO. Sabe… Isso me lembra uma frase de Jesus: “Amarram pesados fardos, colocam no ombro dos outros e não o carregam nem sequer com um dedo” (Mt 23,4).

Mas essa tendência é bem antiguinha… Sabe quando começou? No século IV, com Constantino. Foi com ele que o Estado começou a se unir à Igreja. Até Concílios o Imperador convocou. E ali começou o problema das investiduras, que só foi resolvido na Idade Média com o Concílio de Latrão… Os governantes, católicos é claro, assumiram o papel dos pastores do povo e, com seus interesses políticos, escolhiam bispos, padres e até papas (graças a Deus o Espírito guia a Igreja… e juntou os caquinhos…). Quanto mal isso fez à Igreja… E no Brasil, pasmem, parte deste mal continuou até a Proclamação da República, com o fim do Regime de Padroado. Documentos papais eram filtrados pela censura Imperial. Nosso Catolicismo praticamente não conheceu as importantes reformas do Concílio de Trento por causa do maldito padroado, herança do Império português. A inquisição, tão aludida pelos que atacam a Igreja, já tinha sido condenada pela Santa Sé, mas no Brasil, Portugal e Espanha imperaram até o Século XIX – apoiado pelos Impérios… A Escravatura, condenada por todos os papas da modernidade (depois do concílio de Tento) não pode ser condenada pela hierarquia brasileira porque o IMPERADOR proibia… E sofremos, nós Igreja (não os estados), até hoje, atacados por causa da Inquisição, da escravidão e de outros males do dito ESTADO CRISTÃO. A Igreja foi usada pelos poderosos para garantir seus poderes e sua influência no meio do nosso povo.

Por isso proclamo: como foi bom pra Igreja libertar-se disso… A Igreja no Brasil, após o fim do padroado, pode crescer! Inúmeras diocese foram criadas (eram apenas de 12 até 1888…). A pastoral pode se desenvolver independente dos partidos, das ditaduras ou de quem quer que estivesse no poder. Trento pode ser aplicado e a Igreja se viu livre inclusive para ser voz profética…

Mas parece que tem gente que tem saudades de Constantino… Tem saudades do Padroado. Quando a Igreja diz em quem votar e em quem não votar, pode estar caindo no mesmo erro de dizer que este ou aquele candidato representa Deus ou o diabo… Ou pior… Pode estar sendo usada por quem, para agradar os católicos, disfarça-se de bom moço e depois não vai estar de acordo com o Reino proposto pelo Cristo.

Aliás… Não haverá candidato, partido, tendência que sejam de acordo com o Cristo… Mesmo que o nosso melhor santo seja presidente da república… Nenhum deles poderá estar à altura daquilo que Nosso Senhor quer de nós.

Não nos iludamos, irmãos. A CNBB – órgão oficial da Igreja – não disse em quem votar, nem muito menos em quem não votar. Mas tem gente querendo ser mais que os bispos e que o papa no Brasil… Tem televisões “católicas” que se acham no direito de obrigar as consciências a votar neste ou naquele. ISSO É ABUSO ESPIRITUAL… Essa gente deveria receber repreensões severas… Há inclusive bispos apoiando essa postura… Mas não a CNBB como um todo (nem o Papa).

E afirmo mais: aqui em Curitiba NOSSO BISPO É CONTRA ESSA POSTURA DE DIZER EM QUEM VOTAR OU NÃO… Portanto, quem faz o contrário não está em comunhão com ele…

Às vezes podemos votar em algum candidato que, estando de acordo com alguns pontos – importantes é claro – da moral sexual católica, esteja em TOTAL DESACORDO COM A DOUTRINA SOCIAL DA IGREJA. Tenho medo dos católicos ingênuos, que se deixam inflamar pelos discursos eleitoreiros de alguns candidatos (todos eles tem discurso eleitoreiro, hehehe) e votarão em partidos ou tendências pensando que são católicas, MAS ESTAVAM SÓ DISFARÇADOS. E daí, como ficaremos? Seremos de novo julgados pelas iniquidades deste partido como somos julgados pela Inquisição até hoje? Se apoiarmos cegamente apenas um partido digo que SIM. Se rejeitarmos em bloco algum partido, digo que SIM. E como as iniquidades de QUALQUER UM DESTES CANDIDATOS vai aparecer, o nome da Igreja vai pro lixo com eles. Seremos condenados pelos nossos futuros cristãos que dirão: porque a Igreja daquele tempo apoiou este candidato? (Vejam a Igreja da Argentina, como sofre, por ter apoiado a ditadura, que considerava ser o melhor modelo para o país na época…). Nenhum destes candidatos fará o Reino acontecer no Brasil, pois esta é tarefa primeira da Igreja. Não se iludam, irmãozinhos, não se iludam com nenhum deles… Nenhum deles é o Messias. Só Jesus é nosso Senhor.

Aliás… Não tenho medo de dizer: NENHUM DESTES CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA ESTÁ DE ACORDO PLENO COM A MORAL E COM A FÉ CATÓLICAS. Se fosse pra votar em algum deles por causa da regularidade com nossa moral, não votaria em nenhum.

Já dissemos, no passado, que a Esquerda era mais cristã… Já dissemos, no passado, que a Direita era mais cristã… E no fundo, NEM LÁ NEM CÁ foram cristãos de verdade…

Digo mais: e se o presidente eleito for ateu? Vamos mudar de país por causa disso? NÃO… Caso isso acontecesse, teríamos que fazer o NOSSO trabalho para que o Cristo seja conhecido e seu Reino aconteça até mesmo no Palácio do Planalto. A Igreja não tem partidos: ELA PRECISA INFLAMAR TODOS OS PARTIDOS. Precisa estar dentro do PT, dento do PSDB, dentro do PV e do PSOL para desde dentro MUDÁ-LOS para melhor. Essa deve ser a postura dos cristãos. E não podemos esperar que eles mudem pra daí a gente participar deles. Precisamos estar dentro deles para mudá-los – essa é nossa tarefa e se não o fazemos SEREMOS OMISSOS.

Lembro aqui, irmãos, uma frase do meu querido e amado Bem Aventurado João XXIII, o papa do Concílio Vaticano II. Em determinado dia, ele acolheu a filha do presidente da União Soviética. Parte da Cúria Romana de então considerava a URSS como uma grande inimiga… Alguns cardeais não queriam que o papa a acolhesse, afirmando que eram inimigos da Igreja. O papa, santo em sua sabedoria, afirmou: A Igreja de Cristo NÃO TEM INIMIGOS, porque o CRISTO NÃO TEM INIMIGOS. Eles podem se fazer nossos inimigos pela vontade deles… Nós, porém, vamos amá-los até o fim, como o fez o Cristo, para que se tornem melhores.

Como provocação final: porque não divulgamos a cartilha da CNBB? Porque não a lemos? Ela é que tem validade pra Igreja. Ao invés de partilharmos esse monte de e-mail’s apocalípticos desta ou daquela TV, deste ou daquele pastor… Porque não lemos o que a IGREJA DO BRASIL nos dá como magistério oficial?

Não tenho medo mesmo de dizer: irmão na fé! Vc é livre pra votar em quem a sua consciência mandar. Mas escolha bem! Seu voto terá consequências. Seja na esquerda, seja na direita, seja em cima, seja em baixo ou o escambal a quatro… Todos eles terão consequências positivas ou negativas para o Brasil (e não apenas para os católicos…). Pese os prós e os contras de todo projeto de país que seu candidato apresenta e só então decida em quem votar, OK?

Em Cristo e na paz com todos (até aqueles que não gostaram,

“Naquilo que é essencial, unidade; naquilo que é duvidoso, a liberdade; e em tudo, caridade” (Santo Agostinho)
PE. ALEXSANDER CORDEIRO LOPES
Vice-Reitor do Seminário São João Maria Vianney
Assessor do Setor Juventude Curitiba  -       Fone: 2105-6364

“Agradeço pelo empenho de tantas vozes dispersas até agora! Vamos juntos(as) gritar, girar o mundo. Chega de violência e extermínio de Jovens.”  Pe. Gisley, um dia antes de seu assassinato

IMPORTANTE ESCLARECIMENTO DO SECRETÁRIO DA CNBB, DOM DIMAS LARA BARBOSA.

23 de Agosto de 2010 às 1:22 por Rosana Manzini | Postado em: IGREJA, POLITICA, SOCIEDADE, fé x vida
| Comentários (0)

Comunicado da Assessoria de Imprensa

SÁB, 21 DE AGOSTO DE 2010 13:14 CNBB

O jornal O Estado de S. Paulo, em sua edição de sexta-feira, 20, na página A7, trouxe uma nota afirmando que o secretário geral da CNBB, dom Dimas Lara Barbosa, “admitiu que os católicos votem em candidatos que são favoráveis ao aborto”. A citação, fora de seu contexto, leva o leitor a interpretações que não correspondem em absoluto à posição do secretário geral em relação a este tema.

Diante disso, o secretário solicitou uma retificação por parte do jornal que foi publicada na edição deste sábado, 21, na página 2, coluna Fórum dos Leitores.
Publicamos abaixo a íntegra do texto


Prezado Senhor Diretor de Redação,

Foi com desagradável surpresa que vi estampada minha fotografia no topo da página A7 da Edição de hoje, sexta-feira, 20 de agosto, com a nota de que eu teria admitido que os católicos votem em candidatos que são favoráveis ao aborto.

Gostaria de expressar, mais uma vez, a posição inegociável da CNBB, que é a mesma do Magistério da Igreja Católica, de defesa intransigente da dignidade da vida humana, desde a sua concepção até a morte natural. O aborto é um crime que clama aos céus, um crime de lesa humanidade. Isso, evidentemente, não significa que o peso da culpa deva recair sobre a gestante. Também ela é, na maioria das vezes, uma grande vítima dessa violência, e precisa de acompanhamento médico, psicológico e espiritual. Aliás, esses cuidados deveriam vir antes de uma decisão tão dramática.

Os católicos jamais poderão concordar com quaisquer programas de governo, acordos internacionais, leis ou decisões judiciais que venham a sacrificar a vida de um inocente, ainda que em nome de um suposto estado de direito. Aqui, vale plenamente o direito à objeção de consciência e, até, se for o caso, de desobediência civil.

O contexto que deu origem à manchete em questão é uma reflexão que eu fazia em torno da diferença entre eleições majoritárias e proporcionais. No caso da eleição de vereadores e deputados  (eleições proporcionais), o eleitor tem uma gama muito ampla para escolher. São centenas de candidatos, e seria impensável votar em alguém que defenda a matança de inocentes, ainda mais com dinheiro público. No caso de eleições majoritárias (prefeitos, senadores, governadores, presidente), a escolha recai sobre alguns poucos candidatos. Às vezes, sobretudo quando há segundo turno, a escolha se dá entre apenas dois candidatos. O que fazer se os dois são favoráveis ao aborto? Uma solução é anular o próprio voto. Quais as conseqüências disso? O voto nulo não beneficiaria justamente aquele que não se quer eleger? É uma escolha grave, que precisa ser bem estudada, e decidida com base numa visão mais ampla do programa proposto pelo candidato ou por seu Partido, considerando que a vida humana não se resume a seu estágio embrionário. Na luta em defesa da vida, o problema nunca é pontual. As agressões chegam de vários setores do executivo, do legislativo, do judiciário e, até, de acordos internacionais. E chegam em vários níveis: fome, violência, drogas, miséria… São as limitações da democracia representativa. Meu candidato sempre me representa? Definitivamente, não! Às vezes, o candidato é bom, mas seu Partido tem um programa que limita sua ação. Por isso, o exercício da cidadania não pode se restringir ao momento do voto. É preciso acompanhar, passo a passo, os candidatos que forem eleitos. A iniciativa da Ficha Limpa mostrou claramente que, mesmo num Congresso com tantas vozes contrárias, a força da união do povo muda o rumo das votações.

Que o Senhor da Vida inspire nossos eleitores, para que, da decisão das urnas nas próximas eleições, nasçam governos dignos do cargo que deverão assumir. E que o cerne de toda política pública seja a pessoa humana, sagrada, intocável, desde o momento em que passa a existir, no ventre de sua própria mãe.

Dom Dimas Lara Barbosa
Bispo Auxiliar do Rio de Janeiro
Secretário Geral da CNBB

http://www.cnbb.org.br/site/imprensa/noticias/4470-comunicado-da-assessoria-de-imprensa

Termina o Simpósio – Começa o Encontro Latino americano

27 de Junho de 2010 às 20:33 por Rosana Manzini | Postado em: DSI, IGREJA
| Comentários (0)

Ontem, por algum problema que desconheço, o acesso ao blog não era possível. Por este motivo não pude postar o dia de ontem sábado, comento agora. Ontem tivemos o último dia do simpósio. No início da manhã tivemos a esperada mesa-redonda com o Secretário do Pontificio Conselho Justiça e Paz e os diretores dos Centros de DSI. Alguns diretores representando os 5 continentes apresentaram a realidade de seu país e o tipo de trabalham que desenvolvem. Dom Mario Toso nos incitou a aprofundar os estudos e as ações já nos convocando para um próximo encontro. O Cardeal, Tarcisio Bertone, secretário de Estado do Vaticano, fez a última grande conferência, onde afirmou que a Caritas in Veritate deverá ser para este século o que a Rerum Novarum foi para o anterior. A necessidade do estudo da Doutrina Social da Igreja em todos os segmentos sociais se faz urgente. Na parte da tarde foram apresentados as conclusões do temas. Solenemente o simpósio foi encerrado com a missa presidida pelo Cardeal Turkson, Presidente do Conselho para a Justiça e Paz.

Hoje, domingo, após tirar a parte da manhã para descansar, deixei a Casa Geral dos Dehonianos e me transferi para o Hotel Salesianum onde as 16 hs teve início o 2º Encontro dos Centro Latino Americanos de DSI. Tivemos uma extraordinária conferência de abertura com o Dr. Guzmán Carriquiry, uruguaio e subsecretário do Pontifício Conselho para oa Leigos. Ele abordou o tema: “La integración continental y la vocación de la Iglesia al respecto. Dr. Guzman, fez primeiramente uma abordagem histórica latino americana mostrando a vocação de origem a ser a Patria Grande, como dizia Bolivar. Em seguida celebramos a Eucaristia presidida Pelo Cardeal Sorondo, Canciller da Pontifícia Academia para as Ciências Sociais.

Nosso grupo de trabalho é pequeno somos em 28 pessoas de quase todos os países da América Latina. Amanhã começam os trabalhos logo cedo, as 8 hs.

Mesa-Redonda dos Centros de DSI

Mesa-Redonda dos Centros de DSI

Encerramento - Cardeal Tarciso Bertone

VII Simposio Internacional de Profesores Universitarios sobre el tema “Hacia una economía al servicio de la familia humana: persona, empresa, instituciones”, Roma 24-26 de junio de 2010

22 de Junho de 2010 às 0:46 por Rosana Manzini | Postado em: DSI, IGREJA, SOCIEDADE
| Comentários (0)

Depois de um tempo distante devido a muitos compromissos acadêmicos e pastorais, volto para partilhar com voces uma nova e grande experiência. Em janeiro último estive na Cidade do México a convite do Instituto Mexicano de Doutrina Social Cristã (IMDOSOC) participando da criação de uma Rede de Centros Latino Americanos de difusão da Doutrina Social da Igreja. Representei o Centro de Estudos Léon Dehon (CELDE), do qual sou diretora. O CELDE tem como escopo a investigação, difusão, formação e capacitação em Doutrina Social da Igreja. Destina-se aos agentes que atuam nos campos políticos, sociais e pastorais, buscando através do conhecimento e aprofundamento da DSI, respostas e luzes para a construção de uma sociedade mais humanizada.

Participou deste encontro Dom Mario Toso, secretário do Pontifício Conselho Justiça e Paz, que nos convidou para participarmos de um Simpósio que trataria de uma aprofundamento da encíclica de Bento XVI Caritas in Veritate . Chegou a hora! Amanhã estarei partindo para Roma para participar deste Simposio que terá como tema: Hacia una economía al servicio de la familia humana: persona, empresa, instituciones”. Aproveitando este momento, a RED DE CENTROS DE DOCTRINA SOCIAL CRISTIANA DE AMÉRICA LATINA, promoverá seu 2° ENCONTRO  em ROMA, 27 – 29 junio.  Os trabalhos serão norteados pelo tema: “Construyendo la solidaridad con eficacia y visión”


Diariamente estarei postando informações, comentários e curiosidades. Acompanhe com seu comentário,suas  perguntas…  Un grande abbraccio a tutti!!!

Para compreender o pontificado de Bento XVI

8 de Maio de 2010 às 0:22 por Rosana Manzini | Postado em: IGREJA
| Comentários (0)
Recebi este texto por email do meu amigo Fernando Altemeyer. Vale a pena ler!
Por Fernando Altemeyer Junior
O Estado de São Paulo – página A16 – Vida – primeiro caderno*
Para entender os cinco anos do pontificado atual é preciso rever a vida de quem foi escolhido para ser o 265º sucessor de Pedro como bispo de Roma. Tornou-se um intelectual que deixou a Baviera, mas que jamais permitirá que a Baviera saia de dentro de si. Guarda como tesouro inabalável o amor à Virgem de Mariazell. Na escola da Mãe de Deus, aprendeu que todo poder é serviço aos pequeninos que não se pode escandalizar. A infância vivida aos pés dos Alpes foi guiada pela educação clássica que talhou sua personalidade intelectual. A Baviera é a terra do barroco, arte que vive do contágio emotivo e dos santos. Este papa é um homem das emoções que desejam a Deus revelado na verdade, na beleza e no amor. Viveu entre Munique e Salzburgo, tornando-se um aficionado da música clássica, um mozartiano.
Seus mestres são Santo Agostinho e São Boaventura. Como estes teólogos, o papa proclama que somos capazes de manter livre a inteligência na docilidade à graça de Deus. Crê que somos capazes de alçar voo nas asas articuladas da fé e da razão. Seu lema episcopal é Cooperatores Veritatis, pois se afirma um cooperador da verdade que enfrenta o relativismo, um problema nevrálgico. Tem alertando europeus para que não se tornem vítimas de um laicismo estéril e obtuso. Preocupa-se com aqueles que negam as raízes cristãs e professam um niilismo corrosivo. Afirma que é urgente o cultivo da arte nutrida no Uno, no Bom, no Verdadeiro e no Belo.
A Igreja Católica compreende melhor sua voz suave ao celebrar hoje os cinco anos de sua eleição. Descobre que está diante de um teólogo eminente que anuncia o Evangelho como homem discreto e excelente pedagogo. Ele questiona os fundamentos da modernidade líquida e pede aos cristãos que busquem bases mais sólidas no Evangelho. Teme a apostasia do Ocidente com o crescimento do ateísmo e do agnosticismo, antes restritos aos totalitarismos stalinista e nazista. Seu antídoto para o vazio existencial é maior fidelidade, lucidez e santidade dos seguidores de Jesus. Insiste em proclamar novos santos como paradigmas de um cristianismo do futuro, marcado mais pela qualidade espiritual do que pela quantidade. Há cerca de 400 processos de canonização em curso, sendo 50 de brasileiros natos.
Enfrentou temas polêmicos: o diálogo com as comunidades judaica e islâmica, o uso de preservativos na África, a reinserção de quatro bispos do cisma lefebvriano, o retorno da missa tridentina e o escândalo de pedofilia nos EUA, México, Irlanda, Brasil e Alemanha. Manteve-se ao lado daquelas que sofreram esta clamorosa injustiça e exigirá publicamente que os bispos envolvidos – incluídas as conferências episcopais, dioceses e congregações religiosas – tenham ação firme para punir este crime. Na carta aos irlandeses, Bento XVI disse que esta traição a Cristo exige reparação da Igreja pois é um “grave pecado que ofende Deus e fere a dignidade da pessoa humana criada à Sua imagem”.
Viveu momentos iluminados em seu pastoreio quando clamou por uma ação efetiva da comunidade internacional durante os terremotos que afligiram haitianos, chilenos e tibetanos. Quando abraçou jovens dependentes químicos no Brasil, em 2007. E sobretudo ao tocar, suave e comovido, o rosto de sobreviventes de Auschwitz, na visita à Polônia, em 2006. São gestos paternais que falaram ao coração da humanidade tantas vezes órfã e vilipendiada por mecanismos sutis de segregação social.
Seus desafios para o próximo quinquênio podem ser resumidos a três grandes gestos simbólicos: a visita a Moscou para fixar laços ecumênicos plenos com o patriarcado ortodoxo russo, a realização no próximo ano em Roma de um Sínodo para o Oriente Médio – como contribuição concreta dos católicos ao processo de paz na Terra Santa – e a preparação diligente da presença permanente da Igreja na China, talvez com a reinstalação de um mosteiro beneditino na China Continental.
Manteve contato com os católicos sem tantas viagens como João Paulo II, mas tornou-se presente através da TV, da internet, de blogs e sites. É o primeiro Papa a possuir um iPod.
Dedicou o coração de seu ministério petrino à defesa da verdade desde sua eleição como “um simples e humilde trabalhador na vinha do Senhor”, confiante nas orações do povo cristão e na ajuda de Cristo e de sua Mãe. Sempre afirma que quer construir pontes firmes no diálogo em favor da paz sem transigir nos valores da fé em Deus como pedra angular de uma humanidade emancipada.
Em meio aos ventos contrários destas últimas semanas, o papa Bento XVI emerge no século 21 como um papa das correntes subterrâneas mais do que alguém que surfa nas espumas do mar. Compreendê-lo exige – como dizia Blaise Pascal – espírito de fineza: capacidade de levar em conta todas as dimensões.
*PROFESSOR ASSISTENTE DOUTOR DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA RELIGIÃO DA PUC-SP
http://www.cella.com.br/blog/?p=19157

“A aprovação do Ficha Limpa é questão de dignidade para o Legislativo”, afirma dom Angélico Sândalo

7 de Maio de 2010 às 3:17 por Rosana Manzini | Postado em: IGREJA, POLITICA
| Comentários (2)

A frase foi dita pelo bispo emérito de Blumenau (SC), dom Angélico Sândalo Bernardino, a respeito do Projeto Ficha Limpa e sua aprovação na madrugada de hoje pela Comissão de Constituição e Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados.

“Tenho certeza que todos estão de pleno acordo com a preocupação da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e de milhares de pessoas para apresentar ao Parlamento o Projeto Ficha Limpa. Esperamos que este Projeto seja aprovado no Senado sem muitas modificações. A aprovação é questão de dignidade para o Legislativo e de restabelecimento da credibilidade junto ao povo brasileiro”, afirmou dom Angêlico em coletiva com a imprensa na tarde de hoje, 5, em Brasília (DF).

Dom Angélico se diz cansado da corrupção e  espera que o Ficha Limpa possa mesmo ser aprovado em definitivo pelo Congresso Nacional. “Estamos cansados de ver dinheiro nas meias e nas cuecas dos corruptos,;é hora de dar um basta nesta situação, por isso a urgência da aprovação do Projeto, e esperamos que ele entre em vigor ainda nestas eleições”.

http://www.cnbb.org.br/site/eventos/assembleia-geral/3238-a-aprovacao-do-ficha-limpa-e-questao-de-dignidade-para-o-legislativo-afirmou-dom-angelico-sandalo

VIDA PLENA OU SOBREVIVÊNCIA?

13 de Abril de 2010 às 18:04 por Rosana Manzini | Postado em: DSI, IGREJA, POLITICA, SOCIEDADE, fé x vida
| Comentários (2)

174 O Princípio da Destinação Universal dos Bens convida a cultivar uma visão da economia inspirada em valores morais que permitam nunca perder de vista nem a origem, nem a finalidade de tais bens, de modo a realizar um mundo equitativo e solidário, em que a formação da riqueza possa assumir uma função positiva.

Hoje, na aula de DSI e Educação, no curso de Filosofia da Faculdade Dehoniana discutimos um dos princípios da Doutrina Social da Igreja: a Destinação Universal dos Bens. Trabalhamos em cima de 3 vídeos. Um primeiro sobre a Exclusão Social, o segundo o discurso que uma menina de 13 anos fez para os chefes de governo na ECO 92, no Rio de Janeiro e o terceiro a Carta de Seattle de 1853.

É impressionante como este Princípio da DSI se encontra nos mais diversos discursos pela preservação e luta pela dignidade da vida. Talvez ai encontrássemos respostas para as cenas de horror que temos vistos. A ética indignação nos interpela…….. qual resposta daremos?

Vejam os filmes, reflitam e, se quiserem, postem aqui sua reflexão. Se conseguirmos partilhar os pensamentos, conseguiremos partilhar a vida.

” O que está acontecendo hoje?”

3 de Abril de 2010 às 11:06 por Rosana Manzini | Postado em: IGREJA
| Comentários (1)

De uma antiga Homilia no grande Sábado Santo

(PG43,439.451.462-463)           (Séc.IV)

A descida do Senhor à mansão dos mortos

Que está acontecendo hoje? Um grande silêncio reina sobre a terra.Um grande silêncio e
uma grande solidão. Um grande silêncio, porque o Rei está dormindo; a terra estremeceu e
ficou silenciosa, porque o Deus feito homem adormeceu e acordou os que dormiam há
séculos. Deus morreu na carne e despertou a mansão dos mortos.

Ele vai antes de tudo à procura de Adão, nosso primeiro pai, a ovelha perdida. Faz questão
de visitar os que estão mergulhados nas trevas e na sombra da morte. Deus e seu Filho vão
ao encontro de Adão e Eva cativos, agora libertos dos sofrimentos.

O Senhor entrou onde eles estavam, levando em suas mãos a arma da cruz vitoriosa.
Quando Adão, nosso primeiro pai, o viu, exclamou para todos os demais, batendo no peito
e cheio de admiração: “O meu Senhor está no meio de nós”. E Cristo respondeu a Adão: “E
com teu espírito”. E tomando-o pela mão, disse: “Acorda, tu que dormes, levanta-te dentre
os mortos, e Cristo te iluminará.

Eu sou o teu Deus, que por tua causa me tornei teu filho; por ti e por aqueles que nasceram
de ti, agora digo, e com todo o meu poder, ordeno aos que estavam na prisão: ‘Saí!’; e aos
que jaziam nas trevas: ‘Vinde para a luz!’; e aos entorpecidos: ‘Levantai-vos!’

Eu te ordeno: Acorda, tu que dormes, porque não te criei para permaneceres na mansão dos
mortos. Levanta-te dentre os mortos; eu sou a vida dos mortos. Levanta-te, obra das minhas
mãos; levanta-te, ó minha imagem, tu que foste criado à minha semelhança. Levanta-te,
saiamos daqui; tu em mim e eu em ti, somos uma só e indivisível pessoa.

Por ti, eu, o teu Deus, me tornei teu filho; por ti, eu, o Senhor, tomei tua condição de
escravo. Por ti, eu, que habito no mais alto dos céus, desci à terra e fui até mesmo sepultado
debaixo da terra; por ti, feito homem, tornei-me como alguém sem apoio, abandonado entre
os mortos. Por ti, que deixaste o jardim do paraíso, ao sair de um jardim fui entregue aos
judeus e num jardim, crucificado.

Vê em meu rosto os escarros que por ti recebi, para restituir-te o sopro da vida original. Vê
na minha face as bofetadas que levei para restaurar, conforme à minha imagem, tua beleza
corrompida.

Vê em minhas costas as marcas dos açoites que suportei por ti para retirar de teus ombros o
peso dos pecados. Vê minhas mãos fortemente pregadas à árvore da cruz, por causa de ti,
como outrora estendeste levianamente as tuas mãos para a árvore do paraíso.

Adormeci na cruz e por tua causa a lança penetrou no meu lado, como Eva surgiu do teu, ao
adormeceres no paraíso. Meu lado curou a dor do teu lado. Meu sono vai arrancar-te do
sono da morte. Minha lança deteve a lança que estava dirigida contra ti.

Levanta-te, vamos daqui. O inimigo te expulsou da terra do paraíso; eu, porém, já não te
coloco no paraíso mas num trono celeste. O inimigo afastou de ti a árvore, símbolo da vida;
eu, porém, que sou a vida, estou agora junto de ti. Constituí anjos que, como servos, te
guardassem; ordeno agora que eles te adorem como Deus, embora não sejas Deus.

Está preparado o trono dos querubins, prontos e a postos os mensageiros, construído o leito
nupcial, preparado o banquete, as mansões e os tabernáculos eternos adornados, abertos os
tesouros de todos os bens e o reino dos céus preparado para ti desde toda a eternidade”.