UM NATAL COM GRITO PROFÉTICO!!!

23 de Dezembro de 2010 às 15:53 por Rosana Manzini | Postado em: ROSANA
| Comentários (4)

É NATAL !!!

O nascimento do Salvador e Redentor me remete à opção fundamental feita há muitos natais atrás. Ainda que tudo empurre para um consumo sem sentido, desenfreado, onde a insatisfação permanece após a abertura dos presentes, viver o Natal significa para mim, reconfirmar a adesão ao projeto do Reino. Creio na Civilização do Amor, creio na Igreja comprometida com a vida de cada um e de todos. Creio na grande experiência do amor incondicional e sei sobretudo que está vida de amor é exigente e tantas vezes sofrida. Viver o Natal é acolher a mensagem que transforma vidas e o mundo.

Pensei em várias mensagens para transmitir os meus votos de um Feliz Natal mas nenhuma delas era tão verdadeira e tão profética quanto o discurso do bispo emérito de Limoeiro do Norte (CE), Dom Manuel Edmilson Cruz, que recusou a Comenda de Direitos Humanos oferecida pelo Senado Brasileiro. Se fez Natal, e com o olhar fixo na manjedoura este pastor do século XXI renovou a esperança dos que crêem que a vida e a dignidade ainda se fazem valer contra toda ostentação, contra todo privilégio. O seguimento deste Deus que se faz Menino está presente em cada palavra proferida:

A surpresa chegou aos meus ouvidos à noitinha, quinta-feira 16 de dezembro. Como o alvorecer da aurora e a vibração cantante de um bom-dia. Mais que surpresa: era como se alguém de extraordinária generosidade tivesse enfocado uma libélula projetando a sua leveza e levando-a a atingir as proporções de um águia ou de um condor.
Passa por esse crivo o meu cordial agradecimento ao senhor Senador Inácio Arruda, aos seus ilustres Pares que o apoiaram e a todo Congresso Nacional.

Pensei, em vista dos meus oitenta e seis anos, em receber essa honraria por meio de um representante. Mas Congresso Nacional merece respeito. Verdadeiro Congresso Nacional é sinal de verdadeira democracia.

A honrosa condecoração, porém, dos Pais da “Pátria”, (como diriam os Romanos “Patres Conscripti”), me faz refletir. Precatórios que se arrastam por décadas; aposentados, idosos com suas aposentadorias reduzidas; salários mínimos que crescem em ritmo de lesmas… depois de três meses de reivindicações e de greves, os condutores de ônibus do transporte coletivo urbano de Fortaleza, dos cerca de 26% de aumento pretendido, mal conseguiram e a duras penas, pouco mais de 6%, quer para a categoria, quer para o povo, principalmente os pobres da quinta maior cidade do nosso Brasil
.
Pois é exatamente neste momento que o Congresso Nacional aprova o aumento de 61% dos honorários de seus Parlamentares que em poucos minutos chegam a essa decisão e ao efeito cascata resultante e o impõe ao povo brasileiro, o seu, o nosso povo. O povo brasileiro, hoje de concidadãos e concidadãs, ainda os considera Parlamentares? Graças ao bom Deus há exceções decerto em tudo isso. Mas excetuadas estas, a justiça, a verdade, o pundonor, a dignidade e a altivez do povo brasileiro já tem formado o seu conceito. Quem assim procedeu não é Parlamentar. É para lamentar. Prova disto? Colha na Internet.

Bem verdade é que a realidade não é assim tão simples e a desproporção numérica, um dado inarredável. Já existe – e é de uma grandeza bem aventurada! – o SUS; o bolsa família. Aí estão trinta milhões de brasileiros, que da linha de pobreza, às vezes até da indigência, alcançaram a classe média. É verdade a atuação do Ministério da Saúde. Existe o Ministério da Integração Nacional. É verdade! Mas não são raros os casos de pacientes que morreram de tanto esperar o tratamento de doença grave, por exemplo, de câncer, marcado para um e até para dois anos após a consulta. Maldita realidade desumana, desalmada! Ela já é em si uma maldição. E me faz proclamar em pleno Congresso Nacional, como já o fiz em Assembléia Estadual e em Câmara Municipal: Quem vota em político corrupto está votando na morte! Mesmo que ele paradoxalmente seja também uma pessoa muito boa, um grande homem. Ainda não do porte de um Nelson Mandela que, ao ser empossado Presidente da República do seu país, reduziu em 50% o valor dos seus honorários.

Considerações finais

Senhores e Senhoras,
Sinto-me primeiro, perplexo; depois, decidido. A condecoração hoje outorgada não representa a pessoa do cearense maior que foi Dom Helder Camara. Desfigura-a, porém. Sem ressentimentos e agindo por amor e por respeito a todos os Senhores a Senhoras, pelos quais oro todos os dias, só me resta uma atitude: recusá-la! Ela é um atentado, uma afronta ao povo brasileiro, ao cidadão, a cidadã contribuintes para o bem de todos com o suor de seu rosto e a dignidade do seu trabalho. É seu direito exigir justiça e eqüidade em se tratando de honorários e de salários. Se é seu direito e eu aceitar, estou procedendo contra os Direitos Humanos. Perderia todo o sentido este momento histórico. O aumento a ser ajustado deveria guardar sempre a mesma proporção que o aumento do salário mínimo e da aposentadoria. Isto não acontece. O que acontece, repito, é um atentado contra os Direitos Humanos do nosso povo.

A atitude que acabo de assumir, assumo-a com humildade. A todos suplico compreensão e a todos desejo a paz com os meus sinceros votos e uma oração por um abençoado e Feliz Natal e um próspero e Feliz Ano Novo!

DEUS SEJA BENDITO PARA SEMPRE!

PARA SEMPRE SEJA BENDITO !

FELIZ NATAL !!

CARTA PARA ALGUÉM QUE FOI CEDO DEMAIS!

9 de Outubro de 2010 às 23:09 por Rosana Manzini | Postado em: ROSANA
| Comentários (4)

Olá Albano,

Não tivemos a oportunidade de nos conhecermos pessoalmente, mas ouvi muitas vezes falar de você. Sou amiga da tua irmã, trabalhamos juntas na mesma instituição. Conheci seus pais, jantei com eles algumas vezes com eles na casa dela. Ontem fui surpreendida com a notícia que tinham tirado a sua vida. Alguém, por motivo nenhum, te acertou pelas costas transpassando teu coração. O teu último respiro foi nos braços de teus pais.

Hoje estive com tua família, conheci teus três filhos que já carregavam no coração a saudade da mãe que partiu a tão pouco tempo vítima de câncer.  O garoto é muito parecido contigo. Eu também tenho dois filhos, maiores que os teus, mas a preocupação é a mesma, né? Mas escrevo porque preciso te dizer algumas coisas. A primeira é que não foi Deus que quis que você fosse embora agora, dessa forma tão dram. Sem dúvida, e tenho certeza, você sabe disso agora muito mais do que nós. O que interrompeu teu “vôo” foi o resultado de uma omissão generalizada pela vida integral das pessoas. Perdemos-nos nas buscas de prazeres, de poderes, de “auto-realizações”.  O outro deixou de ser importante para nós. Fomos ficando tão egoístas, tão centrados em nós mesmos, que a vida e dores de tantas pessoas passaram e passam desapercebidas. Na verdade Albano corre-se tanto sem saber para que e nem para onde. Eu também, tantas vezes me pego nesse mesmo ritmo. O problema é que, nós que professamos a fé cristã, temos o dever ético-moral de construirmos uma sociedade que seja de estatura humana.

Eu sempre sonhei em viver a experiência de ser Igreja buscando um mundo que revelasse, nas suas organizações, o Amor de Deus. Procurar a justiça, procurar a paz, procurar a dignidade humana de cada pessoa e de todas as pessoas se tornaram um imperativo ético que moldaram minha vida desde a adolescência. Viver esse sonho no dia a dia nem sempre foi fácil e nunca o será. Mas não temos opção. O seguimento de Jesus nos obriga a uma tomada de posição radical, ou estamos com Ele ou não estamos. Temos que ser uma Igreja-samaritana que tem a coragem de sair de sua estrada cotidiana e ir ao encontro das chagas do mundo. Eu creio nisso, sabe?!! É uma luta amorosa sem fim. Aonde a vida for negada é lá que deveremos estar.Precisamos não ter medo da cruz! E não é fácil.

Não foi teu corpo inerte que me colocou em profundo questionamento. Não! Eu creio na Vida Eterna! Eu tenho certeza de que o Pai te acolheu! O que me inquietou profundamente foi o sofrimento dos que ficaram. As lágrimas dos órfãos, que Deus sempre mandou que nós cuidássemos, que nos responsabilizássemos. São essas mesmas lágrimas que me questionam no mais profundo de minha consciência. Lágrimas dos olhos de tantos brasileiros e brasileiras que sonharam, como eu, com um sociedade humana e fraterna. É necessário mais de mim, é necessário coerência maior, é necessário assumir a profecia, é necessário de verdade lutar pela vida, sim. Era preciso um pouco mais de todos nós. Talvez se tivéssemos nos comprometido um pouco mais, se tivéssemos acreditado um pouco mais……. Eu sei, esse “se” não resolve, não volta o tempo….. então fica mesmo o meu pedido de perdão.

MEU FILHO: O JUMENTO!

1 de Setembro de 2010 às 2:58 por Rosana Manzini | Postado em: ROSANA
| Comentários (1)

“Jumento não é

Jumento não é
O grande malandro da praça
Trabalha, trabalha de graça
Não agrada a ninguém
Nem nome não tem
É manso e não faz pirraça
Mas quando a carcaça ameaça rachar
Que coices, que coices
Que coices que dá”

Neste domingo fui assistir a uma peça baseada nos Saltimbancos. Meu filho, Gustavo, era o jumento.

Assisti, me diverti e me orgulhei como uma mãe pode se orgulhar.

Toda vitória, todo sonho realizado, todo obstáculo ultrapassado nos ecoa como o primeiro passo, como a primeira palavra dita.

Filhos não tem idade, não crescem em tamanho, não engrossam a voz. São eternamente… filhos!

Gustavo, foi muito bom vê-lo encenar, cantar, tocar violão… vencendo a timidez nata.  Vi quando voce nos procurou no meio do escuro da platéia e senti uma grande paz quando, no silêncio, pude te dizer sem falar: eu estou aqui , filho!

Valeu Gu!

Incentivar a arte de pensar e escrever. Texto dos meus alunos: Alteridade e relações humanas

27 de Agosto de 2010 às 21:04 por Rosana Manzini | Postado em: ROSANA
| Comentários (3)

Uma das coisas que venho pensando para este espaço é de usá-lo também para mostrar as reflexões dos meus alunos. Textos bons, estudados e que podem ajudar outras pessoas em suas próprias reflexões. Inauguro este momento com um texto dos meus alunos do curso de bioética da PUC.  Espero poder postar muitos outros textos dessa turma que vem se preparando para servir a Igreja nos seus mais diversos carismas e vocações. Desde  já agradeço a estes que são a razão primeira de qualquer professor/a. Espero que gostem!!!

Pontifícia Universidade Católica

Faculdade de Teologia Nossa Senhora da Assunção

São Paulo, 20 de agosto de 2010.

Grupo:

  • Danilo Félix Franco
  • Mauro Marcelo Gomes
  • Renato Gomes Alves
  • Rodrigo Antônio Silva
  • Welder Cabral Pereira

A importância da alteridade nas relações humanas

Em qualquer tema onde a vida ocupa o centro da discussão, é imprescindível colocar em primeiro plano a pessoa humana. Colocar em primeiro plano não significa que a reflexão deve se restringir exclusivamente ao humano, tampouco enfocar o pensamento somente nele. Significa que deve partir da pessoa humana e atingir toda a criação, tudo o que é dotado de vida. E mais ainda, uma reflexão que parta da pessoa humana e alcance todos os desdobramentos da vida, invariavelmente nos conduz ao encontro do outro.

Dessa forma, o outro (alter) torna-se o critério fundamental da bioética. Esse critério não se resume à pessoa humana em si mesma, mas aborda e atinge suas relações. Adotando como fio condutor a alteridade, entendemos o ser humano como protagonista, mas não como dominador da vida. E como o vemos inserido num universo muito mais amplo, a questão da alteridade expande as relações da pessoa humana, indo além das pessoas entre si, alcançando a vida natural (ecologia) e a criação em sua totalidade.

Entre os seres humanos, relacionar-se deveria implicar o envolvimento pessoal. Encarar a necessidade do outro como algo necessário e comum a todos e, de maneira especial, vê-la como minha necessidade. Tal profundidade no envolvimento das relações humanas faz-se sobremaneira necessário com os pobres, aqueles que têm menos recursos para o pleno desenvolvimento humano.

Outro aspecto das relações humanas, tão grave quanto a indiferença para com o necessitado, é a instrumentalização das relações. Ver o outro não pelo que ele é, mas pelo que pode servir para mim reflete a visão reducionista e pragmática da pessoa humana.

A mesma situação é notada com relação À natureza. Preservar a natureza e saber utilizar os recursos necessários à vida também são atitudes que respeitam a alteridade. E quando instrumentalizamos estes mesmos recursos de modo desenfreado e egoísta, acabamos por esquecer que se trata de um ato reflexo, ou seja, onde a reação de tal ato recai direta ou indiretamente sobre quem o praticou, nesse caso, o próprio ser humano.

Portanto, a questão da alteridade abrange as relações entre o homem e a criação na sua totalidade. E, nessa relação, toma lugar principal não alguém que participa da criação, mas o próprio Criador: Deus (o “Grande Outro”). Tal relação, também, é fundamental para a elaboração da ética da vida. Nesse interagir, temos o ser humano em contato não com algo simplesmente dotado de vida, mas com o próprio Senhor da Vida, lugar que jamais o homem pode ocupar.

Por fim, a relevância e a profundidade da discussão sobre a vida deve ser levada em consideração, principalmente por tocar em esferas alheias à vida pessoal daquele que a realiza. Mas, pelo mesmo motivo de ser alheio à vida pessoal, o envolvimento e o respeito ao outro requer especial atenção e, principalmente, prioridade nas relações humanas.

Colocando a vida em dia. Retomando ritmo.

9 de Agosto de 2010 às 17:48 por Rosana Manzini | Postado em: ROSANA
| Comentários (2)

Esse mes de julho foi cheio de compromissos extremamente agradáveis ainda que tenham exigido um ritmo forte de trabalho. Agora, voltando para casa e retomando o segundo semestre letivo, é necessário colocar todas as atividades em seu devido lugar e ritmo. Portanto tenho também que acertar o ritmo do blog, afinal quem acessa tem a impressão de que ainda estou em Trento (acabei de ser chamada à atenção para este fato).  Então vamos terminar esse tema pendente: O Congresso de Teologia Moral.

Os dois últimos dias do congresso foram destinados as comunicações (papers). Foram dezenas de grupos de tres teólogos ou teólogas que apresentaram suas pesquisas por afinidades de tema. fiz minha apresentação juntamente com um argentino e um colombiano. Trabalhei o tema: “Repensar/criar novas metodologias para o ensino da DSI nas comunidades. Partindo de uma experiência pessoas de alguns anos, venho observando que as metodologias usadas para a difusão da DSI não atingem o objetivo, ou seja essa tão importante doutrina de nossa Igreja continua desconhecida pela grande maioria daqueles que são os sujeitos primeiros de sua transmissão e mais ainda, de sua aplicação: o laicato católico.

Nesses dois últimos dias tivemos ainda grandes conferências com teólogos e teólogas conhecidos internacionalmente. A grande alegria foi o reencontro com o Prof. Pe. Marciano Vidal, grande teólogo moralista, redentorista. Ele, desde o congresso de Padua, tem demonstrado um afeto muito grande por nós brasileiros.

Encaminhando para seu desfecho, ficou decidido de se constituir uma nova comissão diretiva para pensar como será o futguro próximo de nossos encontros. Pensa-se na formação de uma rede de comunicação. Mas a assembléia não dispensa o encontro pessoal por trazer uma riqueza extraordinária partilha das mais variadas culturas. Queremos o 3º Congresso Mundial! …. Postos algumas fotos dos últimos dois dias.

almoço do grupo de teólogas e teólogos brasileiros

Uma das comunicações onde participaram o Pe. Dr. Ronaldo Zacharias, diretor do Pio XI e o Pe. Dr. Transferetti, da arquidiocese de Campinas

Jantar de encerramento. da esquerda para a direita: Pe. Jamir, da diocese de Colatina; Pe. Marcio Fabri, redentorista de São Paulo; Pe. Marciano Vidal, redentorista espanhol e Pe. Javier Galdona, Uruguay

Profª Maria Ines, Juiz de Fora MG e Pe. Nilo Ribeiro, sj, FAJE- Belo Horizonte

Pe. ronaldo, Pe. Celito, Pe. Marcio, Pe. Eliano, Pe. Mario Marcelo

2º Dia: Tem início as sessões de trabalhos

28 de Julho de 2010 às 21:11 por Rosana Manzini | Postado em: ROSANA
| Comentários (0)

Domingo – 2º Dia

Os dias tem sido lindos, ar frio de montanha no início da manhã e forte calor a partir da metade da manhã. O domingo não foi diferente. Iniciamos com a nossa já habitual caminhada matinal. Tivemos uma mesa-redonda, com dois moralistas e um historiador, apresentando alguns enfoques de Trento relacionando com o presente. Destaco a teóloga alemã da Universidade de Tubinga, que trabalhando as categorias do Orgulho e da Vergonhatocou com palavras as chagas que fere a toda Igreja. Outro destaque para o teólogo africano que fez uma análise profundamente dolorosa da questão moral e a história. Hoje o dia nos convidava a ver o passado. O dia foi encerrado com a celebração eucarística na catedral de Trento, um dos lugares onde o concilio se realizou. Me causou um sentimento de pertença histórica. Poder participar de uma celebração no mesmo lugar, onde em 1545 0 anos, ocorreu um fato de grande relevância para a Igreja, não poderia deixar de nos emocionar. A eucaristia foi concelebrada por 4 arcebispos. O Arcebispo de Trento Mons. Luigi Bressan é de uma simpatia e humildade comovente. Tivemos a oportunidade de encontrá-lo na praça da catedral e conversarmos. Ele morou no Brasil por 1 ano e fala correntemente o português. Terminamos a noite com uma boa pizza e reunião dos brasileiros.


Fotos da Abertura Oficial do Congresso

às 20:52 por Rosana Manzini | Postado em: ROSANA
| Comentários (0)

Posto aqui algumas fotos da abertura.

Dom Bruno Forte, bispo e um dos maiores teólogos sistemáticos da atualidade

o grande público formado por 578 teólogos e teólogas moralistas

Centro Santa Chiara

Cocktail nos jardins do Castello del Buon Consiglio

Castello del Buon Consiglio

1º dia do Congresso Internacional de Teologia Moral

às 20:17 por Rosana Manzini | Postado em: ROSANA
| Comentários (0)

As vezes planejamos tudo porém nem sempre conseguimos realizar. Tinha pensado em diariamente postar o dia da dia do Congresso de Teologia Moral, mas não tínhamos acesso a internet no local dos encontros e nem nos dormitórios. Mesmo assim posto agora o que aconteceu nesse extraordinário encontro de moralistas.

1º dia – sábado: Pe. Mario Marcelo e eu chegamos as 21,15 da sexta-feira em Trento, chovia. Viemos diretamente para o Studentato San Bartolomeo onde ficamos hospedados. Este lugar é um complexo de quartos destinados aos estudantes da Universidade de Trento. Lugar lindíssimo porém o calor nos quartos era enorme. Mas o cansaço venceu o calor.

Acordamos cedo e encontramos, já no café da manhã, outros brasileiros e brasileiras também eles professores e professoras de teologia moral em diversas faculdades de todo Brasil. Rumamos para o centro Santa Chiara, meia hora de caminhada, onde deveriamos pegar nossos crachás de identificação. O Congresso promoveu ainda na parte da manhã deste sábado um tour guiado pela cidade de Trento. Fizemos o percurso que os bispos conciliares realizaram quando do Concilio de Trento. A tardezinha teve então a abertura solene com três conferencistas entre eles o bispo e teólogo Bruno Forte que proferiu uma reflexão extraordinária como era de se esperar. Após fomos brindados com um coquetel realizado no Castelo del Buon Consiglio.

Profª Maria Ines, diretora do Instituto de Juiz de Fora e Pe. Transferetti, professor da PUC-Campinas

a direita Prof. Pe. Nilo Ribeiro, sj da FAJE de Belo Horizonte. Ao centro o grande moralista alemão Pe. Klaus Demmer. Pe. Demmer foi nosso professor na Universidade Gregoriana - Roma

da esquerda à direita: Pe. Humberto, coordenador da pós-graduação do PIO XI; Pe. Mario Marcelo,scj, Faculdade Dehoniana; eu, Profª Maria Ines, Juiz de Fora; Prof. Eliano, sdb; REcife; Pe. Ronaldo Zacharias, sdb, diretor do Pio XI. No fundo a Catedral de Trento onde se realizaram as discussões do Concílio.

Catedral de Trento

entrada do Castello del Buon Consiglio

Ser mãe também é saber esperar!

10 de Maio de 2010 às 1:27 por Rosana Manzini | Postado em: ROSANA
| Comentários (0)

Recebi essa mensagem do meu filho Gustavo. Meu filho nasceu na madrugada de um Dia das Mães, foi o maior presente. Primeira maternidade, viria outra depois, a Claudia outro grande presente de Deus.  Em nossa maternidade quantas vezes nos indagamos se estamos “acertando” ou não, queremos respostas imediatas mas elas só vem quando damos tempo para aparecerem nas pegadas deixadas. A minha resposta, olhando para trás, é que devemos confiar naquilo que passamos. Os frutos? bem, os frutos pertencem ao Senhor da Vida que fará florir na hora certa. Ser mãe também é saber esperar!

“ Mãe: Amor que gera Vida que gera Amor

“O coração das mães é um abismo no fundo do qual se encontra sempre um perdão”

Minha mãe fez muitas coisas que eu não gostei, mas fez tudo aquilo que eu precisava pra ser quem sou. E se apenas pelo dom da vida eu já seria eternamente grato, pela vida que me destes, meu amor terás para sempre, nesse plano e nos outros.

Felizes somos nós por termos feiras de ciências pra perder, presentes pra não comprar, palavras para não dizer, gestos para conter, e todos os desvios de um amor perfeito na sua imperfeição.

Não troco essa vida, esse amor, essa família por nenhuma outra, e se sabendo de tudo, pudesse voltar atrás, faria tudo da mesma forma.

Por que o amor não é um destino, é uma jornada…

E te ter ao meu lado é saber que, certo ou errado, indo ao norte ou ao sul, haverá uma mão pra segurar, um colo pra deitar, uma palavra para ouvir.

Te amo!

Gu

———————

Para todas as mães (incluindo a minha), escolhi um poema para homenageá-las:

Ser Mãe

Deixei a natureza transformar-me
Com todas suas leis
Tive o prazer de sentir um bebê no meu ventre
Chorei na maternidade,
Troquei fralda,
Passei noites acordada,
Desfrutei a sensação de amamentar,
Ensinei a comer,
Ensinei a andar,
Chorei no primeiro dia de escolinha
Talvez tenha deixado algumas pessoas de lado,
Talvez não tivesse tempo para dar atenção para as amigas
Pode ser que me relaxei um pouco com minha aparência
Ou quem sabe não tive nem tempo para pensar nisso
Pode ser que deixei alguns projetos pela metade
Ou talvez porque não conciliava com meu horário familiar
Momento algum joguei nada para o alto
Na verdade segurei com as duas mãos
Tudo o que vi cair do céu
Porém permiti
A mão de Deus me tocar
Para ser uma verdadeira mãe

Mara Chan”

http://www.gustavomanzini.com/home/?p=383?utm_source=twitter&utm_medium=twitter-publisher-main&utm_campaign=twitter


Dois momentos importantes na Diocese de Lins

27 de Abril de 2010 às 10:48 por Rosana Manzini | Postado em: ROSANA
| Comentários (3)

Nos últimos 15 dias estive participando de dois grandes momentos na Diocese  de Lins – SP.

No primeiro, na cidade de Penápolis, ministrei a Aula Inaugural da Escola Diocesana de Teologia para Leigos como tema: “Para que todos tenham vida plenamente: eis a vossa missão!!”. Participaram 12o leigos e leigas vindos de todas as cidades da diocese. Foi animador ver com quanta alegria e disposição o laicato dessa Igreja local busca conhecer sua fé.

O segundo momento aconteceu hoje. A convite do bispo diocesano, Dom Irineu Danelon, apresentei ao clero diocesano uma palestra sobre: “Caridade: a prática do amor realizada pela Igreja enquanto`comunidade de amor`”. Foi um momento muito interessante de partilha. Segue foto deste momento.

Próxima Página »